Sunday, September 28, 2008

O declínio

É oficial. Não há distância entre Obama e McCain. Ambos são insultuosamente estúpidos ante a Rússia. A ideia de Obama em cujos termos a Rússia deve retirar da Alânia meridional e da Abkházia é de uma imbecilidade sem nome. Não obstante há ainda uma diferença. A debilitação dos USA seria muito mais rápida com McCain. Isso pouparia trabalho. Mas em nenhum dos casos - e segundo tudo indica - temos homem capaz de conduzir a uma recuperação dos USA. Em escassos anos, não obstante, a população latino-americana será a maioria demográfica naqueles territórios. Talvez alguma novidade venha daí.

Regressões a Sudoeste

A França recua a caminho do séc. de Francisco I. Desde 22 de Agosto pode registar-se, em todas as Gálias, um nado-morto independentemente da fase do seu desenvolvimento (“sans condition de poids ou de durée de grossesse”). O pessoal está aos saltos. Ou em estado de choque. Isso implica o reconhecimento da personalidade jurídica ao embrião, dizem. Bom, implica pelo menos uma acentuação dos absurdos do estatuto jurídico do embrião humano. No tempo de Francisco I as mulheres registavam a gravidez e presumia-se o homicídio se a criança viesse a morrer sem esse registo e privada de baptismo. As feministas estão aos gritos. E estar aos gritos é estar à rasca. Por algum motivo, a rascoeira feminista sempre nos fez lembrar a acção católica do outro lado do espelho. Felizmente, só berram alternadamente. Eventualmente, se as puséssemos a berrar ao mesmo tempo obteríamos um nível de toxicidade capaz de curar a França do seu sarcoma húngaro. E por falar nisto, escassas semanas depois de Sarkozy largar a peçonha papista nas feridas que vai abrindo (com a repulsiva visita de Ratzinger), nada ficou visivelmente mais grave. As gentes do cardeal vinte e três continuam como sempre: a pedir dinheiro. Dizem que não podem viver sem donativos (mas porque é que hão-de viver?) ... E não têm gente, dizem, embora isso não seja completamente verdade (80% do "clero" tem mais de sessenta anos e a coisa é grave porque ainda há 20% com menos de sessenta anos... Como é isto possível?)... Os Latinos (como os bárbaros do sudoeste gostam de se chamar) não sabem ser fiéis à liberdade. Amam-na como todos os homens. Combatem por ela. Mas nunca lhe são fiéis. Olhando a execranda figura de Ratzinger ao lado do horrendo magiar Sarkozy e diante da notícia da "personalização" do embrião humano não pudémos deixar de nos lembrar disto. Balkãs à parte, metade dos colégios eleitorais da Europa do Sul são sensíveis aos fáscio-papistas. Mas haja esperança. Todas as crises são libertadoras.

Thursday, September 25, 2008

A DESGRAÇADA GEÓRGIA

A Geórgia não tem subsistido senão como estado vassalo desde o século XVIII. Aí, temendo o Turco, pediu a protecção do Trono Russo. Acedeu ao estatuto de República Soviética a cuja União deu o homem a quem o actual governo georgiano chama criminoso: Stalin. Após a dissolução da URSS, tem a Geórgia hesitado ante a possibilidade de se prostrar aos pés de novo suzerano. Comprados alguns notáveis locais, de (artificiosa) e recentíssima fabricação, logrou a CIA a sua Revolução Rosa, que vem andando de decepção em decepção, até ao descalabro de 8 de Agosto. Depois da humilhante redução às devidas proporções e da devolução ao lugar natural dos rufias armados (que, por distracção, usavam os nomes de “Exército”, “Guarda Nacional”, “Forças Armadas da Geórgia”) os serventuários locais da OTAN (que olha agora outra direcção) retomam as provocações. E Decidiram fazer um “Museu da Ocupação Russa”, depois de terem feito um “Museu da Ocupação Soviética”. Mesquinharias grosseiras de rufias. A Geórgia é hoje completamente dispensável em tudo. E não consegue subsistir, em nenhum domínio, por si só. O triste papel que os seus dirigentes espectrais lhe reservavam é hoje inviável. Os seus “militares” são imprestáveis. E à aproximação do Inverno os georgianos só podem ter três certezas: A Santa Igreja Russa não abandonará a Igreja irmã da Geórgia, nem a Rússia abandonará os seus cidadãos muçulmanos da Abkházia. E a terceira: a Geórgia não será admitida na OTAN. O resto será uma desgraça. Mas não se sabe ainda que formas essa desgraça tomará.

Golden Parachutes

A patroa dos patrões em França propõe medidas tendentes à anulação dos “golden parachutes (para nós a expressão envolve tudo, tanto os acordos de reforma-chapelada com tempos de serviço ridículos, como as “indemnizações” de montante disparatado no fim de curtos mandatos de gestão) em ordem à “moralização” do capitalismo. Propõe, se bem vemos, que isso opere para o futuro e por consenso a gerar no âmbito dos países do G8. A coisa parece mais simpática do que a vemos. Porque, das duas uma: ou os “golden parachutes” traduzem negócios cujo objecto é contrário à moral, ou não. Se não, as moralizações têm de procurar outras vias. Se sim, tais negócios (os concretizados, como os projectados) são nulos e devem ser declarados como tal, erradicando-se, por consequência, quaisquer efeitos que hajam produzido ou viriam a produzir. Porque a imoralidade reconhecida se reporta, necessariamente, a exigências concretas, permanentes e socialmente consensuais. Não pode corresponder a um arrependimento de poltrões assustadiços perante as consequências desproporcionadas de práticas que são objectivamente (ainda que indiciariamente) criminosas. Já lá dizia o bom velho Óscar: “as coisas são o que são e serão o que tiverem de ser”. A imoralidade em causa está consensualmente presente, mesmo na palavra dos Chefes de Escola. “As Mentiras da Economia” de Galbraith trazem testemunho onde nenhuma dúvida é admissível. E mesmo as últimas formulações de Milton Friedman reconhecem o Estado de Direito como referência fundamental da vida económica e trazem a correcção às formulações anteriores, onde tal condição essencial não está presente. O consenso é pois evidente e há muito tempo. Nenhum problema quanto à nulidade, portanto. (Independentemente de declaração). Nem é preciso construir consensos já construídos.

Tuesday, September 23, 2008

Diletantismo

Mário Soares pensa sobre a crise económica no DN de hoje. Contra Ordem vai dar uma voltinha ao espeto: a ideia segundo a qual as “nacionalizações” americanas traduzem realidade em cujos termos se privatizam os lucros e se nacionalizam os prejuízos, é uma fórmula do “L’Humanité. ("Socialiser les pertes et privatiser les profits", subscrita por Dominique Plihon, ou "les « nationalisations » opérées ne consistent qu’en socialisations des pertes bancaires", com a assinatura de Yves Dimicoli). Não está mal a fórmula. É pelo menos uma óptima provocação para debate. (Nós não estamos ainda convencidos da inelutável justeza da fórmula). Mas Mário Soares já tem idade para fazer correctamente citações. Afinal de contas, não há paternidade mais orgulhosa do que a paternidade das ideias (como aliás dizia alguém cujo nome não nos ocorre agora). Este é o problema do tugastão: um sítio que não está mal concebido pelo Altíssimo, mas onde quase tudo é tuga. Até isto. Felizmente os gregos inventaram a palavra "porra" e nós acrescentámos-lhe um ponto de exclamação. Que diríamos nós sem isso, não é?

Saturday, September 20, 2008

Relatório CIPE

Um dos mais claros instrumentos de ingerência dos USA no mundo publicou o seu relatório de Agosto. Aqui fica, por desfastio.

A crise no Egipto

Enquanto o Egipto treme diante do efeito dominó da crise financeira, a taxa de inflação ultrapassou os 25%. Foi a mais alta desde a segunda guerra mundial. Não obstante, Boutros-Ghali (que tem sido o responsável pela "reparação" da Economia Egípcia) parece estar de volta à cena internacional.

Corrida ao Oiro vista do Chile

Com um "record" de subida, mas apesar de tudo mais barato (ainda) que em Março último, o oiro apresenta previsões de subida para quase o dobro. Previsões são previsões, claro. Esta anotação não é uma recomendação. A imprensa financeira do Chile trata o tema como aqui se deixa.

Do sistema de catástrofe à catástrofe do sistema

A análise (muito interessante) de um marxista. Acabou - se alguma vez tiver existido e ele acha que não - a convergência dos economistas com o belicismo nos USA. As derrotas (ou os atascamentos) militares geraram a crise e os vectores da direcção política fraccionam-se e pressionam-se reciprocamente, sem possibilidade de restauração rápida de qualquer eficácia dos mecanismos de formação da vontade do Estado. Os USA esgotaram-se e esgotaram vários dos seus estados vassalos. Ao lado, insistimos nós neste detalhe: os chefes de escola dos conservadores estão calados. E os comentadores andam em círculo. É este um efeito da doutrina negociada? É uma hesitação dos doutrinadores de encomenda? Tudo é possivel. Mas as universidades cheias de lacaios, têm, também, muita dificuldade em mover-se. As publicações controladas não conseguirão nunca ser lugar de debate livre. Décadas de promoções pelo servilismo, têm sempre o seu preço quando é precisa gente com um mínimo de autonomia. E não se pode pensar sem isso. Em todo o caso, o "pragamatismo" dos conservadores desacompanhados de qualquer reflexão doutrinária - todos o sabemos - perde rapidamente o norte. Não precisavam de pensar porque contratavam quem pensasse... mas com os contratos incumpridos e sem nenhuma conclusão disponível... O resultado é o de sempre. São asnos sem arreata. Todas as quedas de regime (caso não se tenha notado) se fazem neste clima de vacuidade intelectual.

E Agora?

Agora... É preciso confrontar a situação económica dos USA com as suas posições militares no mundo e os seu projectos políticos para o mundo. E ler bem os fracassos clamorosos das conspirações na Venezuela e na Bolívia. Os bloqueios da "revoluções" laranja e rosa. O atolamento dos exércitos da Ásia Central, no Médio Oriente e, até, na Europa. Confronto feito, as estúpidas ameaças americanas à Rússia adquirem neste contexto colorações especialmente grotescas.

Crise ou mudança?

Enquanto o Governo Russo manda os especuladores para casa (nos seus mercados), a China não autoriza os seus capitais a saírem em socorro da americrise. Para os russos mais vale pará-los que pagá-los. Para os chineses, não há motivo para precipitações. É “deixá-los poisar” e depois logo se vê. Até agora e desde 2007, os fundos de Singapura, China e Golfo averbam perdas contidas e ganhos consideráveis. Os orientes (que ele há vários) emergem da crise com uma dupla faceta, primeiro como grandes travões financeiros a uma recessão mundial, depois, como detentores evidentes de 60% das riquezas do mundo. Esta não é portanto uma crise como as outras. Talvez não seja sequer uma crise, mas uma mudança. Porque traz alterações estruturais associadas no plano da liderança do mundo. Se estamos a ver bem, a Europa deve respeitar a Geografia e perceber-se (enfim) como Eurásia. Os ocidentes (também há vários) devem conhecer a breve trecho uma… perestroika. (Do pior ou do melhor modo, é indiferente). Evidentemente, o tugastão não existe. Nem como projecto. A terra da casa pia governada por um “engenheiro” da independente, à mistura com a padralhada papista, mais a reabilitação dos Pedrosos por via de uma cicatriz, isso não releva sequer como bordel. A espada de Guemaiel está a erguer-se.

Friday, September 19, 2008

O lado de lá do espelho

A Santa Rússia anda zangada com os seus mercados de capitais. Suspendeu-lhes a actividade. Depois deixou reabrir e, numa hora, os índices saltaram (para cima) mais de 17%. O Governo voltou a mandar os especuladores para casa. E suspendeu aquilo, outra vez. É confortável saber que há governo. E que a parasitagem da Rússia não será fácil.

Capitalismo de Estado

À queda do capitalismo de estado de fachada socialista, parece seguir-se a queda do capitalismo de estado de fachada liberal. Caem do mesmo modo, no essencial. Sem convicções. Nem inteligência. Entre ressentimentos. Impotentes. Mas há quem venha dizer que a devastação, longe de ser crise, é catástrofe metodicamente preparada. E explorada. A devastação é uma quebra da resistência política nos mercados, desde o Chile de Pinochet ao Iraque de Bush, passando pela Rússia de Ieltsin. Até um tsunami permite erradicar os pescadores da orla marítima para vender os terrenos em favor de empreendimentos balneares. Não negaremos a apetência pela catástrofe. Nem a avidez que perde e faz perder a noção das proporções. Mas o semelhante gera o semelhante. A catástrofe gerará a catástrofe, com um “senão”: a crise é criativa. E um detalhe: esta crise apanha os conservadores doutrinariamente desarmados. Apanha os socialistas doutrinariamente desarmados. Só a tradição universitária radicada nas humanidades responde ainda. No Direito, como na Economia e Ética. Veremos então o que isto dará. Entretanto, divirtamo-nos ante a imagem dos USA e um sector empresarial de capitais públicos inesperadamente relevante. Divina ironia. Nenhuma análise político economica pode merecer o crédito da maturidade se não focar especificamente este detalhe.

Thursday, September 11, 2008

Portugal-Dinamarca

Os simpáticos Dinamarqueses chegam e cantam “temos uma linda terra, de costas verdes, cercada pelo mar”. Os tugas respondem com a Portuguesa gritando a plenos pulmões “contra os canhões, marchar marchar”. Desajustado. É normal que os outros fiquem um tanto agastados. Irrita isto de chamarem canhões – indiscriminadamente e sempre - aos membros da equipa adversária e em todos os jogos de futebol. Sempre esperámos que alguém perguntasse, alguma vez, no fim do desafinado coro: -“desculpem, mas a quem é que estão a chamar canhões, mais exactamente?”… Não obstante, uma vez que lhes chamaram canhões, os Dinamarqueses dispararam. E ganharam o jogo. Outro disparate, parecido, é aquela dos Italianos. Chegam os Finlandeses (por hipótese) e cantam “Amamos-te querida pátria nascida do mar”. Os italianos respondem “marchemos para a morte, a Itália chamou”. A reacção mais natural seria retorquir -“assim não jogamos”. Não estamos propriamente no jogo de bola dos Maias. Por isso aliás se entende mal tanto nervosismo. Se, ao menos, o chefe da equipa vencida fosse degolado no campo ainda se perceberia a extrema tensão. Assim não se entende. Dizer palavrões à passagem de um árbitro, parece aceitável. Descer ao campo e bater no árbitro, ainda parece compreensível. (Os pretensiosos que querem julgar devem estar sempre preparados para o risco da coisa). Mas aqui se esgota a aceitabilidade. Os hinos guerreiros no desporto estão deslocados. Muito mais razoável é a Espanha cujos jogadores, orgulhosamente, ouvindo a Marcha Real, cantam - a plenos pulmões e urbanamente - “tralálá”... Mas o mais adequado ainda era fazer hinos para as diversas federações, com belas letras sobre meniscos rachados e chuteiras cortantes. Ou cantando a invencibilidade das cabeças que marcam golos habitadas pela força de um coice de mula, ou ainda chorando os guarda-redes em picadinho, podendo até incluir-se um “não há árbitro que vos valha”. Isso estaria bem. Isto é um exagero.

Tuesday, September 2, 2008

Paz Fria: o descongelamento da guerra

A estratégia anti russa é uma estratégia de cerco – de Vladivostok ao Cáucaso, do Báltico à Ásia Central. Não têm obtido grandes resultados em função da gigantesca mobilização de meios, designadamente militares, como os necessários para a instalação e manutenção de vinte grandes bases norte-americanas de cerco. Sendo certo que durante o período Bush os USA abriram novas sediações militares, subindo o número de instalações militares americanas a 730, espalhadas por cinquenta países. Nisto se saldou o “fim da guerra-fria”. Visivelmente trata-se do descongelamento da guerra. "Paz Fria" escreve (num bastante agressivo artigo) o Der Spiegel. Chame-se-lhe como se quiser. Entre tugas, Adriano Moreira lembra hoje o projecto de "libertação" da Europa até aos Urais. E o primeiro a pensar assim na divisão da Rússia, (o primeiro a sonhar assim a derrota da Rússia) foi... Hitler. Todavia, a eficácia militar dos russos, a firmeza da nova Direcção Política Russa, o visivelmente unânime apoio popular às posições tomadas, deixam os "ocidentais" decepcionados (consigo próprios, bem entendido). Enraivecidos, até. E não conseguem sequer pensar. Ninguém formula uma perspectiva de Estado , sequer. Schröder dá razão aos russos. Merkel confessa a sua admiração - se não mesmo o seu impossível amor- pela Rússia. Estão todos os ingredientes da guerra em presença. Até este. (A irracionalidade, sim). E neste âmbito ocorre a tentativa (igualmente obstinada e igualmente impossível) de eliminar o último travão: a capacidade nuclear assegurada da destruição total recíproca. A Rússia mantém essa capacidade. Enquanto a mantiver, não pode ser subalternizada, isolada, ou atacada em campo aberto. Certo, subsistem possíveis ataques de outro tipo. Mas para algumas técnicas já ensaiadas, o tempo parece ter-se esgotado. Revoluções laranja, rosa, azul-celeste ou verde-alface, podem talvez justificar a apropriação (ilícita, claro) de fundos estatais norte-americanos, mas o tempo de eficácia de tais técnicas esgotou-se. Chavez já sobreviveu ao emprego simultâneo da técnica chilena e da revolução laranja. Resta a velhíssima (e tristíssima) ideia de fazer a guerra em casa alheia. Isso poderá continuar a usar-se. Embora não com exércitos de opereta que uma simples divisão desbarata em três dias, desarmando completamente a respectiva república das bananas. É essencial verificar se o estado vassalo tem homens de armas aptos a suportar a provocação militar desejada, antes de a encomendar. Com treino americano, dificilmente haverá qualquer aptidão militar. Basta observar o que se passa em todo o lado perto das bases americanas (perda de soberania, deficit democrático, esgotamento económico, despovoamento, impacto ambiental desproporcionado, crime impune - compreendendo crimes sexuais e a prostituição - problemas de saúde por contaminação). E os cinquenta países onde tais fenómenos se impõem - umas setecentas e trinta vezes, todos os dias - ao abrigo da "aliança", são, diz a retórica oficial, "amigos". Claro que se os americanos não o dissessem, ninguém o notaria. Qualquer treino dirigido por tão má gente é certamente e apenas guiado pelo princípio universal em cujos termos o semelhante gera o semelhante. Gente desta sabe destruir e matar. Mas isso não pode ser difícil. Alguns animais conseguem fazê-lo perfeitamente, embora e em regra tenham motivos visíveis para o fazer. Combater é, porém, outra coisa. E estar pronto para o combate é coisa muito diversa. Das mãos de tal gente sai qualquer Abu Graíb. Qualquer Guantánamo. Qualquer quarteirão de bordeis. Qualquer bombardeamento aéreo de populações civis (na Sérvia bombardearam até os altares da Páscoa - com os votos de Páscoa feliz escritos nas bombas - como bombardearam hospitais, uma igreja do séc. IV e, mesmo, a Embaixada da China). Está por demonstrar que consigam fazer alguma coisa mais do que isto. Está até por demonstrar que haja muitos oficiais europeus capazes de continuarem a conduzir-se como se não desprezassem mortalmente tal corja e a direcção política que lhe corresponda. (E este é também um factor quanto ao qual não será inútil estar atento).

Monday, September 1, 2008

Perfil de Sarkozy

Quase divertido. Podia fazer-se o de Durão Barroso. Mas o homem é tão instrumental que não vale o trabalho.

FIND MADDIE!

Loading...