Saturday, April 23, 2011

85 ANOS DE ISABEL II: OBSERVAÇÕES SOBRE A MONARQUIA CONTEMPORÂNEA

O bom velho Михаил Озеров dá conta – no bom velho Izvestia - de uma pequena sova na Raínha Isabel II, que ouviu em Speakers’ Corner. O orador achava que oitenta e cinco anos da Raínha eram anos a mais... E fala-se até da necessidade ou utilidade da Raínha abdicar. No momento em que mais dois garotos são postos na calha, convém ponderar a Monarquia não como uma ameaça aos direitos e às liberdades dos cidadão, porque isso foi completamente eliminado, mas como uma indecência feita às pessoas dos próprios príncipes. Na verdade a Monarquia exige hoje que um grupo de pessoas, numa família ou em famílias aparentadas, nasça para não ter direitos fundamentais. E não se lhes reconhece nem preserva a liberdade de expressão, opinião, ou pensamento e pela cabeça de ninguém passou ainda preservar-lhes a reserva da vida privada ou familiar... A cópula de (ou com)  um príncipe tem discussão livre, livre focagem e – não raro - é até discutida como matéria de Razão de Estado. E sempre nos pareceu  um bocadinho exagerado manter a Razão de Estado tão perto das camas seja de quem for. Depois há esta coisa verdadeiramente sinistra, esta coisa na qual se não pode pensar sem um estremecimento, que é consentir e querer a educação de alguém para isto... Era o que faltava. Não temos nenhuma dúvida quanto à utilidade institucional da solução monárquica. É magnífico ter a certeza que à chegada de um novato a uma Chefia de Governo se possa contar, por exemplo, com a informação atempada, o depoimento oportuno,  ou a sugestão sábia e cordata de quem assiste aos conselhos de ministros desde os dezoito anos, como ocorre com todos os herdeiros da Coroa da Noruega. Um Rei octogenário em bom estado de conservação pode dar um jeito infinito a quem governa. E é de uma utilidade evidente para a comunidade. É padrão de elegância de conduta. De moderação. De bom gosto. De uso modelar da Língua. É árbitro natural de todas as polémicas que ameacem dividir a comunidade. Corolário natural de todas as hierarquias. E a sua presença deve ser (e em regra é) sentida, todos os dias, como padrão de leveza, testemunho de bom gosto, de discreto humor, de elegância acessível, de afabilidade paternal como corolário do poder de Estado. Mas isto tem preços elevados. Para tanto, os principes não podem ter vida privada, nem opiniões próprias expressas, não podem brincar nem como crianças nem como adultos, e raramente poderão sequer chorar. Se um príncipe detém o olhar em alguém, isso tem significado político ou moral, de modo que a disciplina de atitude lhes não consente sequer a espontaneidade do olhar. Se um principe casa, os seus afectos e a dignidade da fundação de família são usados como ocasião de receita de estado e o casamento transformado num espectáculo folclórico. Agora, o papel dos príncipes “democratiza-se”. Acha-se que uma rapariga ou um rapaz comuns, podem também ser chamados às famílias reais. E ninguém aguenta isso. Quebram como varas verdes. Evidentemente. Escandalosamente. (Já nem se contam as infelizes pêgas inglesas que perderam as estribeiras nessas tentativas). Não funciona.  Era engraçado poder dizer que a Monarquia é mais democrática que a República porque nenhuma república sentou no trono o neto de um taxista. Não acreditamos é que uma monarquia consiga fazê-lo, embora haja uma a tentar. E este condicionamento inumano tem sido assim para que a comunidade não tenha o desgosto, o nojo, a repulsa de aturar um idiota como Sarkozy, ou um parolo como Cavaco. É verdade que nenhuma comunidade merece um parolo como Cavaco. (E os mais novos nem sequer se lembram das tremendas figuras do infeliz Eanes, coitado). Nenhum país merece um histérico como Sarkozy. Mas não se pode retirar esse risco a estes preços para os Direitos Fundamentais seja de quem for. A única forma lícita de não aturar nunca um Cavaco, ou um Sarkozy, é a comunidade deixar de os produzir. É talvez o momento de libertar os pobres príncipes de tão desajustado, inclemente e pessoalmente dispendioso papel. A indignidade de tal modo de vida começa a ser incompatível com o caracter (plausivelmente sacrossanto) da representação histórica que lhes incumbe desempenhar.

No comments:

FIND MADDIE!

Loading...