Friday, June 17, 2011

ANIBALIDADE CONSUMADA

Num riso alvar em boca sem lábios, o néscio ingeria a hora para que tinha nascido. Consumou-se a anibalidade do governo-Coelho em parvagal. E mais valera que não tivesse nascido. Isso é nítido.

No comments:

FIND MADDIE!

Loading...